Frase

"O sucesso nasce do querer, da determinação e persistência em se chegar a um objetivo. Mesmo não atingindo o alvo, quem busca e vence obstáculos, no mínimo fará coisas admiráveis." (José de Alencar)

Banner Site

Banner doação

Ajude nosso blog!!!

AJUPM

Aqui procure no blog o que você quer (assunto, nome, etc.)

Assine e receba atualizações diárias. Não esqueça de confirmar no email enviado pra você.

terça-feira, 27 de maio de 2014

Por R$ 400, uruguaios compram armas para brasileiros na divisa do RS.

Aos poucos, um crime tem despertado a atenção de autoridades policiais na divisa do Rio Grande do Sul com o Uruguai, região conhecida pelos freeshops. Em Rivera, cidade uruguaia que faz fronteira com Santana do Livramento, o comércio não é exclusivamente de produtos como cosméticos e bebidas: o contrabando de armas se alastra pelas ruas, como mostra a reportagem do Teledomingo (veja o vídeo). O esquema descoberto pela equipe da RBS TV mostra as estratégias de grupos que adquirem e trazem o armamento de forma ilegal do Uruguai para o Brasil.


Pela lei, só uruguaios têm direito a comprar armas legalmente no país. O esquema, porém, permite que um brasileiro deixe a cidade levando uma arma comprada nas armerías, lojas especializadas do Uruguai. Quem faz a compra é um cidadão uruguaio que depois repassa a arma ao comprador brasileiro. Pelo “serviço”, é cobrado o valor de R$ 400.

A polícia gaúcha confirma o esquema criminoso. “Já nos chegou à notícia que uma única pessoa teria registrado 10 perdas de arma, é uma coisa que chama a atenção. Ninguém vai perder tanto assim. Arma, escopeta, fuzil, coisas desse tipo”, explica o titular da Delegacia de Polícia de Santana do Livramento, Eduardo Sant’anna Finn.

O chefe da polícia em Rivera, no entanto, diz desconhecer o comércio ilegal. “Eu não tenho conhecimento. Ter conhecimento é saber que isto está ocorrendo e, no caso, teríamos que fazer alguma coisa. Eu acredito que é um mito a respeito do país, e especificamente de Rivera, que tem uma fronteira muito particular, que teria um tráfico de armas em grande volume e que nos não combatemos. Não o percebemos ao longo do tempo, apesar de que isso que é uma preocupação constante de nossa polícia em todo o país”, salienta Eriberto Fagundes Cabrera.

A equipe da RBS TV acompanhou a negociação de armas. O traficante, em um veículo com placas de Florianópolis (SC), ofereceu dois tipos de revólveres.

Na fronteira com Argentina venda ocorre sob encomenda

A 800 km dali, na fronteira da Argentina com o Rio Grande do Sul, um esquema semelhante ocorre em Santo Tomé, na divisa com São Borja. Na região, as armas são vendidas sob encomenda, basta escolher o modelo. Em 15 dias, a mercadoria é entregue, sem registro. No esquema, armas roubadas em cidades argentinas são negociadas com brasileiros.

“Há um mercado, por assim dizer, de compras de armas para a utilização aqui na cidade. A gente verifica essa incidência. Há cerca de 15 meses, aproximadamente, 20% das armas apreendidas pela Polícia Civil em abordagens rotineiras da Brigada Militar ou em cumprimento de mandados de buscas foram de origem argentina”, afirma o delegado da Polícia Civil de São Borja, Jerry Adriani.

Fonte: Defesa.Org

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todo e qualquer comentário proferido neste blog é de exclusiva responsabilidade do autor. Comentários com conteúdos impróprios ou com palavras de baixo calão não serão publicados, assim como qualquer um comentário julgado ofensivo pelo idealizador deste blog.
Ao proferir comentários, você autoriza o uso de seus comentários pelo blog.

Sd C. Santos - Idealizador